Páginas dedicadas

Atelier

ncnc_atelier

Nunca escondi que, assim como a agulha rasga o tecido, muitas vezes você me feriu ao ensinar-me os pontos que construiriam o bordado da minha vida.

A beleza. A lógica. A sequência de cada um deles. Você me mostrou que as coisas não devem ser bonitas só pela frente. Elas devem ser, principalmente, bonitas no avesso.

Talvez seja, por isso, que você tenha dito coisas que me reviraram e  fizeram-me ir ao extremo de cada nó do meu ser. Talvez seja, porque, você sempre soube que é no inverso das coisas que os pontos devem ser bem arrematados. Sem remendos. Sem lamentos.

Se costurei isso que, hoje, visto, foi porque você estava lá. Incisiva como uma agulha, fazendo a bainha do meu tecido sempre em exagero. Afiada como uma tesoura, cortando as pontas soltas das minhas linhas. Centrada como um novelo, devolvendo-me o fio da meada quando eu o perdia.

E por isso eu agradeço. Obrigado por ser minha alfaiate. Por esgarçar-me. E depois remendar-me. Por arrematar meus pontos e por-me em moldes tão exatos. Mas também me desculpe. Pelas tantas vezes que não soube apreciar a delicadeza e precisão do seu ofício. Por não ter entendido que seguramos a agulha com os mesmos dedos. Que, no fundo, somos linhas do mesmo carretel.


Àquela cuja importância, em minha vida, não se mede.
Anúncios
Padrão

14 comentários sobre “Atelier

  1. Vanda Miranda. disse:

    Parabéns! Emocionante, cativante, humana, simpática, amorosa, espetacular e perfeita,a sua escrita em forma de poema. Que maravilha!Chora mesmo,Vania Myrrha! Eu,com olhos marejados também. Seu amigo é um artista das palavras…

  2. Vânia Myrrha disse:

    Pois é Vanda, foi assim que aprendi muuuiitas coisas com dona Ambrosina… em meio a novelos, linhas, agulhas, tesouras, carretéis, retroses… nas idas e vindas ao centro da cidade para compra-los (é, tinha que ir à ‘cidade’ para comprar retrós)… :) e o João me ajudou a ver que tudo aquilo que aprendi a fazer com ela está muito além do tricô, do crochet, dos bordados, dos moldes e das costuras, na verdade, está em um lugar intangível onde o significado da vida se amplia.

  3. lucascreek disse:

    Que corajoso esse blog! Admiro muito (muito mesmo!) quem consegue falar assim dessa forma tão bonita sobre esse turbilhão de coisas que ficam girando e se revirando sem parar dentro da gente. Parabéns, João!

  4. lucascreek disse:

    Imagina, João! Imagino como esse exercício deve ser difícil. Na verdade, já tentei fazê-lo, mas meio que não consegui e acabei encontrando outras formas de falar coisas lá de dentro. Fico feliz que consiga. O prazer é nosso em ler. ;)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s