Sobre a Vida

Imunidade

ncnc_imunidade

Fechei os olhos. Forcei a ponta dos pés contra o chão. Senti como se eu fosse imune à vida, então.

Como se o tempo não me esvaziasse daquilo que ele mesmo saturou. Nem me fartasse daquilo que ele mesmo roubou.

Como se lágrimas não me encharcassem os músculos. Nem me secassem a alma. Como se viver não fosse hemorrágico. Sequer fosse trágico.

Ousei sonhar com esse dia. Em que eu não precisasse desistir. Nem insistir. Quando me bastasse, apenas, existir.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s